terça-feira, 15 de maio de 2007

Protocolo da 7ª Sessão

Participaram nesta Sessão:

Professor Doutor Mendo Casto Henriques

António Fernando Teixeira Cardoso

Júlio César de Magalhães Pereira

Fernando Manuel Marques Apolinário

Bruno José Martins Domingos

Francisco Manuel Narciso

Paulo Alexandre Alves

Ruben Dário

José Salvador Tivane

Edgar Paulo Cadir

Carlos Manuel Lopes Rodrigues

João Paulo

A sessão iniciou-se com a leitura, debate e correcção do protocolo da sessão anterior.

O site da disciplina já se encontra disponível, é importante consultar o site, isto porque este contem alguns conteúdos para downloads.

Devido há falta de comparência de alguns participantes na ultima sessão, o professor sugeriu que se revê-se quem e quais os temas que já estavam escolhidos, distribuídos.

Segue-se uma tabela com os participantes e os respectivos trabalhos atribuídos:

Participante

Tema do trabalho

Capitulo onde se encontra estes temas[1]

António Cardoso

Disfuncionalidade

Cap. 7

Júlio Pereira

O conceito de desenvolvimento na realidade

------------------------------

Fernando Apolinário

Comparação entre os tipos de ciência

Cap. 3 e 4

Bruno Domingos

O que é a própria intelecção

Cap. 2

Francisco Narciso

Potência, forma e acto

Cap. 15 e 16

Paulo Alves

Espaço e tempo

Cap. 5

Ruben Dário

Senso comum

------------------------------

José Tivane

Mal

Cap. 18 e 19

Edgar Cadir

Ética

Cap. 18

Carlos Rodrigues

Mito e mistério

Cap. 17

João Paulo

A noção e a crença

Cap. 20

Nesta mesma sessão o professor ao sugerir temas de trabalho indicou entre outros o tema da ciência.

A Ciência (do latim scientia, conhecimento) é o conjunto de informações sobre a realidade acumuladas pelas várias gerações de investigadores depois de devidamente validadas pelo método científico. Também se designa por ciência o processo de recolha e validação de informações sobre a realidade.

A propósito da investigação científica, surgiu a questão entre os participantes de como relacionar a teoria cientifica da criação com a doutrina da criação judaico-cristã.

O Criador e o Big Bang

O Criador - A primeira dedução lógica que podemos fazer sobre o Universo é a existência de um Criador. As leis que governam a Natureza são tão simples e lógicas que se torna praticamente impossível que tudo que exista seja obra do acaso. Portanto, deve haver uma inteligência suprema que, de alguma maneira, projectou e executou esse maravilhoso empreendimento, que é o Universo.

O Supremo Arquitecto do Universo, na sua omnisciência, convida o Homem em sua eterna busca a tentar explicar os mistérios da Natureza. O Homem, por sua vez, na sua ânsia de saber, procura compreender a génese da criação, atribuindo-lhe vários nomes, formas, e até mesmo, sentimentos envolvidos nesse processo de manifestação, em busca de poder aprender os mistérios e desígnios da mente divina, o que é inexplicável por ser incompreensível. Assim, entramos no âmbito metafísico, o que vai além da obra do Criador.
Em todas as deduções lógicas que faremos aqui, tentaremos torná-las verdadeiras através da busca por consistências baseadas no método científico, que tem como objectivo verificar, por comparação, a compatibilidade entre elas e os dados observacionais verdadeiros fornecidos pela Ciência. Sendo assim, aquela nossa primeira dedução a respeito da existência de um Criador não pode ser considerada legítima com base no método científico. Mesmo assim, podemos aceitá-la por ser fruto do bom senso. Portanto, o leitor tem a flexibilidade para acreditar que o Universo também possa ser obra do acaso, o que não vai comprometer a aceitação das várias outras deduções que faremos no transcorrer desse livro.

"Deduções Lógicas", que forma um elo de conceitos e ideias simples e lógicas, não tem a pretensão de mergulhar nesses mistérios metafísicos que transcendem a criação, e sim apenas tentar compreender a arquitectura do Universo, cuja história foi e continua sendo mal interpretada até os dias actuais.
Tudo começou há mais ou menos 13,7 biliões de anos, que é a idade do Universo, conforme a conclusão mais recente publicada pela NASA, com um erro aproximado de 1%.

No início, o Criador reuniu em apenas um ponto todo o material necessário à sua grande obra. Esse ponto é denominado de Singularidade Primordial, onde foi colocada toda a energia que constitui o Universo actual, sendo que, ao mesmo tempo foram criadas as leis fundamentais que regulam o funcionamento e a dinâmica dessa energia, manifestando-se nas várias modalidades a serem estudadas mais adiante.

O Big Bang - Como já havia sido dito, toda a matéria do Universo em forma de energia estava contida num ponto ou singularidade inicial. Então, esse ponto explodiu, espalhando um caldo de energia pura em todas as direcções, dando início ao processo de expansão do Universo, como afirma a Ciência.
De acordo com "Deduções Lógicas", a força dessa explosão inicial durou um certo tempo, e enquanto isso, ela foi a responsável pela aceleração de todas as energias que lá havia. Nesse mesmo tempo, cada quantum de energia percorria uma certa distância adquirindo uma certa velocidade, sendo que as velocidades são proporcionais às distâncias percorridas por cada quantum.
Essa fase inicial do Universo, quando ele estava num processo de aceleração durante um certo tempo, pode ser bem comparada com aquela ideia simples de um gás que se expande sob pressão, sendo que este se encontra dentro de uma esfera de tamanho (raio) crescente, representando o próprio universo em expansão, sendo o centro da esfera o local do Big Bang. Sendo assim, à medida que a esfera (universo) cresce, a pressão do gás vai diminuindo até desaparecer.

A partir desse momento em que a pressão se anula, termina a fase de aceleração. Cada partícula desse gás continua se afastando do centro da explosão com sua própria velocidade já adquirida pelo impulso inicial do Big-Bang, pois aquela força inicial cessou. Dessa forma, o Universo entra numa nova fase, sendo que cada quantum (grãozinho) de energia dentro da referida esfera adquire uma velocidade de expansão (Ve), cujos valores são proporcionais às suas distâncias ao centro da esfera. Logo, quanto mais longe do centro o quantum estava no momento em que deixou de actuar a pressão, maior foi a velocidade de expansão (Ve) atingida por ele. Nessa situação, a única força que poderia agir sobre essas partículas seria a força da gravidade, retardando ou desacelerando o movimento dessas. Ao contrário do que possamos imaginar, a grande explosão que originou o Universo não emitia som e nem sequer clarão de luz.

Pode dizer-se que o tempo começou com o big bang, no sentido em que os primeiros momentos não podiam ser definidos. Deve sublinhar-se que este começo no tempo é muito diferente dos que tinham sido considerados previamente. Num universo imutável, um começo no tempo é uma coisa que tem de ser imposta por algum Ser exterior ao Universo; não há necessidade física de um começo. Pode imaginar-se que Deus criou o Universo em qualquer momento do passado. Por outro lado, se o Universo está em expansão, pode haver razoes de natureza física para um começo. Podia continuar a imaginar-se que Deus criou o Universo no instante do big bang, ou mesmo depois, de tal modo que o big bang nos pareça ter ocorrido, mas não teria qualquer significado supor que tinha sido criado antes do big bang. Um universo em expansão não exclui um Criador, mas impõe limitações ao momento do desempenho da Criação!

Ainda poderíamos insistir em perguntar: "O espaço foi criado naquele momento da explosão?". "Se existe o Criador, então onde ele estava?" As respostas dessas e de muitas outras indagações não têm relevância, pois nunca saberemos os mistérios insondáveis do Criador.

Lisboa, 18 de Abril de 2007-04-17

Fernando Apolinário



[1] MEYNELL, Hugo A. – An Introduction to the Philosophy of Bernard Lonergan. 2ª Edição, Londres: Macmillan Academic and Professional Ltd, 1991

4 comentários:

mch disse...

Muito bem. Boa apresentação além dos conteúdos correctos

maycon disse...

esta teoria é uma dedução lógica através do que seria o nosso destino aqui na terra, tem como ponto inicial uma parte e meia do tempo onde parte o principio meio e o fim,houve um principio chegamos no meio e estamos rumo ao fim porem o fim é o proprio principio e isto forma um ciclo infinito que houve um começo e não tem mais fim.

estarião todos os planetas inclusive a terra se aproximando do sol a trilionésimo de trilionesimo por segundos imperceptivel a conciencia humana de detectar ,este movimento em aspiral de encontro com o sol formando uma enorme explosão(big bang infinito) onde se iniciara tudo novamente com o mesmo ciclo daqui a cerca de 6 bilhões de anos. cheguei a um novo conceito de vida,uma nova tese sobre tudo. o nome da
teoria é neociclica. o tempo é infinito mesmo durante a grande explosão que
durou uma parte e meia do meio do tempo, isto quer dezer que durou três meio
dia ou seja 12h,24h,36h, que somando individualmente os numeros ficariam
1+2=3 , 2+4=6 , 3+6=9 ,ou seja o 3 é o principio, 6 é o meio e 9 é o fim
tornamdo assim infinito pois após o 9 vem o 3 sendo que 9+3=12 e 1+2=3 ou
seja o fim é o principio,tudo no universo e isso inclue a todos nós
constitue de principio meio e fim porem o fim se transforma no principio e o
principio se torna o fim restando sómente nós no meio de toda a evolução. o
big bang foi uma infinita proporção de poeiras cosmicas que se difundiu se
com infinitas proporções de gases quimicos mais a presão do vácuo onde não
havia nada, formou uma explosão que durou ou 1 segundo e meio,ou 1 minuto e
meio,ou 1 hora e meia, ou 1 dia e meio, ou 1 mês e meio,ou 1 ano e meio ou 1
século e meio, ou um milenio e meio,ou seja foi uma parte e meia mais rapido
que um piscar de olhos ou foi uma parte e meia mais demodado que uma
eternidade, onde originou todo o universo e as galáxias ,durante o passado e
o futuro que se faz presente nos dias de hoje.

maycon disse...

esta teoria é uma dedução lógica através do que seria o nosso destino aqui na terra, tem como ponto inicial uma parte e meia do tempo onde parte o principio meio e o fim,houve um principio chegamos no meio e estamos rumo ao fim porem o fim é o proprio principio e isto forma um ciclo infinito que houve um começo e não tem mais fim.

estarião todos os planetas inclusive a terra se aproximando do sol a trilionésimo de trilionesimo por segundos imperceptivel a conciencia humana de detectar ,este movimento em aspiral de encontro com o sol formando uma enorme explosão(big bang infinito) onde se iniciara tudo novamente com o mesmo ciclo daqui a cerca de 6 bilhões de anos. cheguei a um novo conceito de vida,uma nova tese sobre tudo. o nome da
teoria é neociclica. o tempo é infinito mesmo durante a grande explosão que
durou uma parte e meia do meio do tempo, isto quer dezer que durou três meio
dia ou seja 12h,24h,36h, que somando individualmente os numeros ficariam
1+2=3 , 2+4=6 , 3+6=9 ,ou seja o 3 é o principio, 6 é o meio e 9 é o fim
tornamdo assim infinito pois após o 9 vem o 3 sendo que 9+3=12 e 1+2=3 ou
seja o fim é o principio,tudo no universo e isso inclue a todos nós
constitue de principio meio e fim porem o fim se transforma no principio e o
principio se torna o fim restando sómente nós no meio de toda a evolução. o
big bang foi uma infinita proporção de poeiras cosmicas que se difundiu se
com infinitas proporções de gases quimicos mais a presão do vácuo onde não
havia nada, formou uma explosão que durou ou 1 segundo e meio,ou 1 minuto e
meio,ou 1 hora e meia, ou 1 dia e meio, ou 1 mês e meio,ou 1 ano e meio ou 1
século e meio, ou um milenio e meio,ou seja foi uma parte e meia mais rapido
que um piscar de olhos ou foi uma parte e meia mais demodado que uma
eternidade, onde originou todo o universo e as galáxias ,durante o passado e
o futuro que se faz presente nos dias de hoje.

maycon disse...

esta teoria é uma dedução lógica através do que seria o nosso destino aqui na terra, tem como ponto inicial uma parte e meia do tempo onde parte o principio meio e o fim,houve um principio chegamos no meio e estamos rumo ao fim porem o fim é o proprio principio e isto forma um ciclo infinito que houve um começo e não tem mais fim.

estarião todos os planetas inclusive a terra se aproximando do sol a trilionésimo de trilionesimo por segundos imperceptivel a conciencia humana de detectar ,este movimento em aspiral de encontro com o sol formando uma enorme explosão(big bang infinito) onde se iniciara tudo novamente com o mesmo ciclo daqui a cerca de 6 bilhões de anos. cheguei a um novo conceito de vida,uma nova tese sobre tudo. o nome da
teoria é neociclica. o tempo é infinito mesmo durante a grande explosão que
durou uma parte e meia do meio do tempo, isto quer dezer que durou três meio
dia ou seja 12h,24h,36h, que somando individualmente os numeros ficariam
1+2=3 , 2+4=6 , 3+6=9 ,ou seja o 3 é o principio, 6 é o meio e 9 é o fim
tornamdo assim infinito pois após o 9 vem o 3 sendo que 9+3=12 e 1+2=3 ou
seja o fim é o principio,tudo no universo e isso inclue a todos nós
constitue de principio meio e fim porem o fim se transforma no principio e o
principio se torna o fim restando sómente nós no meio de toda a evolução. o
big bang foi uma infinita proporção de poeiras cosmicas que se difundiu se
com infinitas proporções de gases quimicos mais a presão do vácuo onde não
havia nada, formou uma explosão que durou ou 1 segundo e meio,ou 1 minuto e
meio,ou 1 hora e meia, ou 1 dia e meio, ou 1 mês e meio,ou 1 ano e meio ou 1
século e meio, ou um milenio e meio,ou seja foi uma parte e meia mais rapido
que um piscar de olhos ou foi uma parte e meia mais demodado que uma
eternidade, onde originou todo o universo e as galáxias ,durante o passado e
o futuro que se faz presente nos dias de hoje.